O Ator

Formado na Casa das Artes de Laranjeiras, Paulo Gustavo é um ator niteroiense que se destaca na nova geração de comediantes brasileiros pelo humor sutil/dinâmico e espontâneo.

Ganhou visibilidade no final de 2004, quando integrou o elenco da peça “Surto”, comédia de grande sucesso de público e crítica. Na ocasião, apresentou a divertida Dona Hermínia, que se tornaria uma de suas personagens mais conhecidas.

Após sua formatura, em 2005, deixou o elenco de “Surto” e passou a integrar a peça “Infraturas”, de Fábio Porchat, que esteve em cartaz até o início de 2006, sob a direção da atriz Malu Valle. No mesmo ano, apresentou também o espetáculo “João Ternura”, sob a direção de Marcus Alvisi.

MINHA MÃE É UMA PEÇA

Em 2006 estreou o espetáculo “Minha Mãe É Uma Peça”, sob a direção de João Fonseca. Com texto de sua autoria, o monólogo foi resultado do amadurecimento da personagem Dona Hermínia, declaradamente inspirada em sua mãe. A brilhante atuação lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Shell de melhor ator. Há mais de sete anos em cartaz, “Minha Mãe É Uma Peça” consagrou-se como um fenômeno de público e já levou mais de dois milhões de pessoas ao teatro pelo país.

HIPERATIVO

Depois de quatro anos de sucesso com “Minha Mãe É Uma Peça”, Paulo Gustavo subiu ao palco novamente sozinho – dessa vez descaracterizado – para apresentar o espetáculo “Hiperativo”, dirigido por Fernando Caruso. Nesse stand up comedy, ele satiriza o comportamento e as relações humanas, mostrando como nossas neuroses e paranoias podem ser engraçadas.

TV E CINEMA

Fora dos palcos, começou com participações em produções para TV como “Minha Nada Mole Vida”, “A Diarista”, “Casos E Acasos” e “Sítio Do Pica-Pau Amarelo; além dos filmes “Xuxa em O Mistério de Feirurinha” e “Guerra dos Rocha”. Destacou-se principalmente pela atuação no filme e seriado “Divã”, onde interpretou o cabeleireiro Reneè.

Mas o sucesso na TV ocorreu, de fato, a partir de 2011, com a estreia do seu primeiro programa televisivo: o humorístico “220 Volts”. Na atração, exibida semanalmente pelo Multishow, Paulo Gustavo demonstrava sua extrema versatilidade ao dar vida aos mais variados personagens, além da consagrada Dona Hermínia. O programa teve duração de quatro temporadas, atingindo em pouco tempo um dos maiores índices de audiência do canal.

Da parceria com o Multishow resultaram também outros trabalhos de sucesso, como o sitcom “Vai Que Cola”, do qual integra o elenco fixo. Caminhando para a sua segunda temporada, a atração foi muito bem recebida pelo público e se tornou a produção nacional de maior audiência da TV paga nos últimos dez anos. Atualmente, o canal exibe o programa “Paulo Gustavo Na Estrada”, reality que acompanha as aventuras do ator em suas turnês pelo país.

O sucesso estrondoso de “Minha Mãe É Uma Peça” no teatro rendeu, ainda, uma adaptação para o cinema, lançada em junho de 2013. Comemorando mais um recorde, “Minha Mãe É Uma Peça – O Filme” tornou-se a produção nacional de maior bilheteria e maior faturamento do ano.

E Paulo Gustavo não para. Em seu projeto mais recente, aventura-se em outra adaptação. No espetáculo “220 Volts”, que estreou em maio, leva as personagens femininas do programa de televisão para o teatro. O ator já estreou com as primeiras três semanas da temporada esgotadas. Os ingressos para o primeiro final de semana sumiram antes mesmo que o primeiro anúncio fosse publicado no jornal. Resultado do boca a boca feito pelas 40 mil pessoas que abarrotaram os teatros das oito cidades onde o espetáculo já esteve: de Porto Alegre a Paulínia, passando por Aracaju e Goiânia.

“Ouço com frequência pessoas pedindo a volta do programa. Então, resolvi fazer um espetáculo no qual eu pudesse trazer para o palco as seis personagens mais bombadas, as mais queridas. Assim, eu poderia continuar fazendo outras coisas no Multishow e manter essas figuras vivas no teatro.”